Arquivo do blog

sábado, 26 de maio de 2018

A ORAÇÃO É O SOPRO DO ESPÍRITO QUE DÁ VIDA À ALMA...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 10,13-16)(26/5/18).

A oração é o Sopro do Espírito que dá vida à alma, a eleva em prece que chaga ao céu, aos ouvidos de Deus, que movido por sua Divina Misericórdia, age imediatamente em favor de todos os necessitados que clamam por salvação e paz. Desse modo, rezar é muito mais do que fazer pedidos, porque a oração é meio de comunicação entre o céu e a terra; é verdadeira comunhão entre os homens e Deus; entre aqueles que aparentemente nada podem ou podem muito pouco, com o Senhor que tem todo poder sobre o céu e sobre a terra.

Por isso, a oração é a graça de todo momento, porque dela precisamos à todo momento, como vimos no Evangelho de São Lucas: "Propôs-lhes Jesus uma parábola para mostrar que é necessário orar sempre sem jamais deixar de fazê-lo." De fato, em se tratando da fé, "tudo é possível ao que crê." Disse o Senhor. Então, nesse sentido, a oração é o canal por onde passam todas as graças derramadas em nossas almas.

No Evangelho de hoje, os discípulos com suas restrições humanas tentam impedir o encontro entre as crianças e Jesus, ao que o Senhor os recrimina, dizendo: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas. Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele”. Ou seja, ter uma criança como referencial é cultivar a inocência divina que recebemos como imagem e semelhança de Deus que somos. Com isso, Jesus nos ensina pelo exemplo das crianças, a mantermos essa inocência que Ele nos deu como porta de entrada no Reino dos céus.

Caríssimos, "O cristão que ora está unido a Cristo, participa de sua força de salvação e vive na alegria. De modo particular, a Eucaristia é a prece em que mais explicitamente se manifesta o agradecimento e a confissão dos pecados, a intercessão pelos doentes e a súplica pelo perdão das culpas de todos os homens." (Missal Cotidiano).

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

INSTABILIDADE MATRIMONIAL..


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 10,1-12)(25/5/18).

Caríssimos, nossos atos, são atos decisórios e dependem de nossas escolhas e decisões, por isso, são tão importantes para se viver em paz, conforme a vontade de Deus. Quando pensamos a vida em todos os sentidos, nos deparamos com a dicotomia que divide os homens e o mundo: o bem versos o mal. Porém, Deus em seu amor paternal, nos deu o livre arbítrio para vivermos em sua presença como seus filhos e filhas e assim realizarmos os seus desígnios.

Com efeito, no livro do Deuteronômio meditamos o seguinte: "Tomo hoje por testemunhas o céu e a terra contra vós: ponho diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas com a tua posteridade, amando o Senhor, teu Deus, obedecendo à sua voz e permanecendo unido a ele." Ora, se somos assim ensinados por Deus é para nos mantermos fiéis à Ele, pois de nada adianta receber suas graças se não correspondermos à elas. Logo, a fidelidade ao seu Filho, Jesus Cristo, é o fundamento para nos mantermos seguros da salvação que dele recebemos.

No Evangelho de hoje, Jesus é questionado por seus adversários sobre a instabilidade da união conjugal; ao que o Senhor respondeu: "Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe!” De fato, o amor verdadeiro é Sacramento eterno, não é feito de aparência nem por conveniência; mas, é doação da própria vida por toda a vida. Onde homem e mulher se entregam à Deus no amor esposal para serem santificados por Ele.

Caríssimos, em que baseamos nossas escolhas e decisões? Para nós que vivemos da fé no Filho de Deus que nos amou e por nós se entregou, só existe um fundamento, a Sua Divina Palavra; pois quando o escutamos e nos entregamos a Ele, o fazemos porque confiamos que Ele tudo pode e que sem Ele nada se firma, nada cresce, nada permanece por muito tempo; em suma, sem Jesus Cristo, o Filho de Deus, não existe vida eterna.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

COMO SERÁ O JUÍZO FINAL?

O
PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 9,41-50)(24//18).

Caríssimos, a consciência é o tribunal espiritual de nossas almas onde são julgados todos os nossos atos, pois tudo antes passa por ela, depois das decisões tomadas e das permissões dadas é que os atos acontecem (cf. Tg 1,12-16), e isto pode se dá até em milésimos de segundos. Porém, tudo fica gravado nela como um filme, até o mínimo ato dicidido e praticado. Por isso, não existe desculpa ou perdão para aqueles que não se arrependem de seus pecados e não os confessam, a fim de obterem a misericórdia e o perdão que precisam.

Com efeito, o Porto Seguro do perdão é o Sacramento da Confissão, pois é cura para a alma, é reconciliação com o Senhor, que nos faz participar, por esse Sacramento, do Mistério de sua Ressurreição. Porém, todas essas graças se realizam de fato quando o penitente reconhece os pecados cometidos e os confessa verdadeiramente arrependido com o firme propósito de não mais os cometer, com a ajuda da graça do Senhor; porque sem arrependimento não existe conversão, purificação, nem a libertação de tais pecados mesmo se confessados. No entanto, se faz necessário lembrar que a Misericórdia Divina é infinita e se mantém à espera de todo penitente arrependido, para que tenha nela a graça do perdão e a paz que tanto necessita.

Na liturgia de hoje vimos como se dará a Justiça Divina quando do julgamento de todos aqueles que continuaram à espalhar suas maldades na face da terra, apesar de conhecerem, por essas maldades, o justo castigo que lhes espera. É como ouvimos do Senhor: "Ai do mundo por causa dos escândalos! Eles são inevitáveis, mas ai do homem que os causa!" (Mt 18,7).

Portanto, meditando a Parábola do trigo e do joio, vemos que assim será no dia do juízo final; os anjos do Senhor virão ao seu comando e retirarão da Criação todos aqueles que praticaram o mal; enquanto que os filhos e filhas de Deus, serão recolhidos no celeiro de sua glória e gozarão da imensa paz que lhes está reservada como herança eterna, por viverem esse tempo de prova no mundo, fazendo em tudo a Sua Santa Vontade.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

NOSSA MAIOR ALEGRIA, NASCEU DA MAIOR DOR...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 9,38-40)(23/5/18).

Caríssimos, o anúncio da verdadeira libertação da humanidade, como conhecemos, passou pelo sofrimento de cruz; nossa maior alegria nasceu da maior de todas as dores, a dor do Filho de Deus que foi barbaramente torturado e assassinado sem nenhuma culpa, exatamente por aqueles que Ele veio salvar. Mas, Senhor, como pode, depois de todo o bem que lhes fizestes e de todo amor que lhes destes, ainda assim te mataram tão cruelmente?

Filho meu, a pior cegueira que existe é a cegueira causada pelo pecado nas almas que o cometem, pois nada enchergam além das trevas do pecado que conceberam, pois se deixaram seduzir pelos instigacões e perversões do maligno, para cometerem tais atrocidades contra os inocentes que perseguiram. Todavia, que fique bem claro, nenhum inocente perseguido e morto sofrerá danos além do sofrimento temporal, pois, depois desse tempo de prova, lhes será dado o refrigério eterno do meu amor em minha presença por toda eternidade, pois me imitaram em tudo por seu martírio.

De fato, desde que conhecemos a História da humanidade, percebemos que sempre existiu uma doentia oposição à verdade, como se fora uma espécie de sina trágica por parte daqueles que menosprezaram e abandonaram a Vontade de Deus. E tudo isso começou ainda antes da história da criação, com os anjos decaídos, que são seres espirituais criados por Deus, para servirem à Ele, mas também aos homens. Por recusarem esse humilde serviço se rebelaram contra a Onipotência Divina, mas perderam a batalha espiritual travada contra São Miguel e seus anjos e por isso se precipitaram contra os homens, tentando destruí-los, a quem na verdade deveriam amar e servir (cf. Ap 12).

Ora, de tal forma a humanidade foi atingida pelo pecado que foi preciso que nosso Pai Criador enviasse Seu Filho amado, gerado pelo Espírito Santo no seio Virginal de Maria, como Redentor de toda a humanidade. Vejam à que ponto Deus nos amou, pois sacrificou o próprio Filho, deixando que fosse morto numa cruz para apagar, com o derramamento do seu sangue, os nossos pecados e nos libertar para sempre da morte e do inferno, lugar eterno dos anjos e dos homens que se rebelaram e enveredaram pela via da perdição eterna.

Conclusão: "A salvação é obra de nosso Deus, que está assentado no trono, e do Cordeiro." Por isso, o Profeta Isaías proclama: "Como são belos sobre as montanhas os pés do mensageiro que anuncia a felicidade, que traz as boas novas e anuncia a libertação, que diz a Sião: Teu Deus reina!"

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

terça-feira, 22 de maio de 2018

SILÊNCIO...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 9,30-37)(22/5/18).

A vida de entrega aos desígnios do Senhor requer um amor incondicional, requer submissão amorosa, isto é, obediência sem limites, na certeza de que Deus nos conduz por sua via de retidão até atingirmos a perfeição por Ele desejada para as nossas almas. Mas, para que todas essas graças aconteçam precisamos deixar o mundo com suas atrações e contradições, como ouvimos hoje na Carta de São Tiago: "Adúlteros, não sabeis que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Assim, todo aquele que pretende ser amigo do mundo torna-se inimigo de Deus."

Ora, mas o que significa esse abandono do mundo? São João nos explica muito bem isso na sua primeira carta: "Não ameis o mundo nem as coisas do mundo. Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai. Porque tudo o que há no mundo - a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida - não procede do Pai, mas do mundo. O mundo passa com as suas concupiscências, mas quem cumpre a vontade de Deus permanece eternamente."

Caríssimos, mantenhamos o silêncio dos pensamentos, o silêncio das palavras; e escutemos o Senhor no coração de nossas almas, a nossa consciência, onde o Senhor nos fala por meio de Sua Palavra, por meio da Eucaristia, e pela inspiração do Espírito Santo em nossa oração silenciosa, pois quem escuta o Senhor e trilha os seus caminhos permanece em estado de graça e facilmente chagará ao céu, porque já não vive para si, mas para o Senhor que nos amou até a última gota de seu Sangue Redentor.

Com efeito, a recompensa para quem ama o Senhor assim é viver a felicidade que não tem fim, como Ele mesmo disse aos discípulos quando estes o indagaram sobra a renúncia de tudo: "Eis que nós deixamos tudo e te seguimos". Respondeu Jesus: "Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, receberá cem vezes mais agora, durante esta vida — casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições — e, no mundo futuro, a vida eterna."

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

"TUDO É POSSÍVEL AO QUE CRÊ."


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 9,14-29)(21/5/18)

"Tudo é possível para quem tem fé”.

Caríssimos, muitas vezes nos deparamos com situações na vida em que nos sentimos impotentes diante delas, como aconteceu com os Apóstolos no Evangelho de hoje. Se analisarmos bem, veremos que nossas soluções atônitas nada resolvem, ao contrário, só aumenta ainda mais a confusão, mesmo que tenhamos fé e estejamos com o Senhor. Mas porque isso acontece? Porque quase sempre nossas soluções são frutos do que entendemos da fé e não do seu real poder. Na resposta de Jesus ao pai da criança e aos Apóstolos está a real solução para as situações dessa natureza.

"Se podes!... Tudo é possível para quem tem fé”. “Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração”. Ou seja, os dons básicos para a ação do poder de Deus nas mais diversas situações de nossa vida, são a fé e a oração. O pai da criança mesmo no desespero que o acompanhava, acreditava, mas por lutar tantas vezes contra tal fenômeno sem obter resultado, já perdera as esperanças, por isso, pediu reforço para a sua fé racional e logo obteve êxito em sua oração. Já por parte dos Apóstolos a resposta de Jesus serviu de aprendizado para eles, pois também necessitavam de discernimento para agir com a autoridade do poder de Deus, para expulsar o mal que por algum motivo ali se encontrava.

Uma outra bela reflexão que podemos colher desse acontecimento, é esta: as coisas que dizem respeito às ações do Senhor nas situações de nossa vida, requer silêncio, pois em meio ao barulho deste mundo não existe espaço para a graça, mas somente para a confusão. Aliás, o silêncio é sagrado, nele encontramos e escutamos Deus; e assim temos todas as graças por vivermos na Sua Presença, em comunhão com a Sua vontade, fazendo tudo o que é do seu agrado; enquanto que, o barulho é infernal. Nele não se tem nada além de sons ensurdecedores que muito inquieta a alma, que desolada suplica ao Senhor que lhe dê a paz e o amor de que tanto necessita.

Caríssimos, tudo o que o ser humano faz fora da vontade de Deus, é porta aberta para as ações do inimigo de nossas almas; todavia, quando se busca em Jesus a solução, tudo muda de imediato, pois, o impossível aos limites da fé natural, torna-se possível pela ação do Espírito Santo que concede o dom da fé Carismática à todos aqueles que procuram o Senhor com sinceridade de coração.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

domingo, 20 de maio de 2018

VEM ESPÍRITO SANTO, VEM POR MEIO DA PODEROSA INTERCESSÃO DE MARIA...


Homilia do Dom de Pentecostes (Jo 20,19-23)(20/5/18).

Como um fogo abrasador, o Espírito do Senhor, desceu sobre Maria e os Apóstolos no dia de Pentecostes e renovou a face da terra; desde então, a Igreja, esposa de Cristo, é composta por todos os seus filhos e filhas que nascem da água e do mesmo Espírito que O gerou no seio de Sua Mãe Santíssima. Em outras palavras, esse novo nascimento é também nosso Pentecostes, pois de igual modo, o Espírito Santo vem sobre nós no momento em que somos batizados.

Então, confirmando, o que é mesmo Pentecostes? É a vinda do Espírito Santo prometido por Cristo; diz-se também do nascimento da Igreja, tendo em Maria e nos Apóstolos sua visibilidade. Em meio a tudo isso, a Igreja é Cristo e Cristo é a Igreja, exatamente como Ele mesmo a descreve, como a videira, cuja seiva é o Espírito Santo, e o Pai Eterno, é o Agricultor que com seu divino amor poda, renova seus ramos e multiplica os seus frutos para que todos tenham a vida divina. Todavia, os ramos secos dessa videira serão arrancados e lançados fora, pois não é possível que depois de receberem tantas graças, continuem sem dar fruto algum.

Caríssimos, Pentecostes é também a manifestação da Palavra proclamada pela Sabedoria do Espírito, por meio dos Apóstolos, e escutada por todas as nações presentes e futuras, pois o Espírito do Senhor continua a obra da salvação dos homens até o fim do mundo. Todavia, sem a pregação da Palavra e o testemunho dela não se tem conversão nem sinais nem prodígios.

De fato, hoje em dia se difunde muito a palavra humana e se esquece facilmente da Palavra Divina; o resultado são as falsas notícias, a multiplicação das calúnias, a difusão do ódio, das divisões e de todos os males advindos do pecado da palavra falada, escrita e multimídia, até mesmo entre os cristãos. Por isso, muito cuidado com os pecados das palavras porque eles são venenos para a alma; nunca os escute. Com efeito, assim disse o Senhor: "O homem de bem tira boas coisas de seu bom tesouro. O mau, porém, tira coisas más de seu mau tesouro. Eu vos digo: no dia do juízo os homens prestarão contas de toda palavra vã que tiverem proferido. É por tuas palavras que serás justificado ou condenado."

Conclusão: Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso Amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.
Oremos: Ó Deus que instruíste os corações dos vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos da sua consolação.Por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

Firefox